Google+ Followers

sábado, 2 de julho de 2016

Vendaval que atingiu os municípios de Macapá, Santana, Mazagão e Laranjal do Jari, ainda preocupa órgãos e população amapaense

A população amapaense ainda sente muito receio ao quando aos fins de tarde o tempo aparenta a presença de ventos fortes, como ocorreu no dia 23 do mês passado. Ontem 01/07, foi um deses dias que causou preocupação, mas graças a Deus, foi considerado um vento normal e sem registros de ocorrências. No entanto, a preocupação não está somente com a população, o Núcleo de Hidrometeorologia e Energias Renováveis do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá (NHMET/Iepa), informa a previsão para os meses de julho e agosto, momento de transição entre o período mais e menos chuvoso no Estado, e de pancadas de chuvas intensas acompanhadas de ventos fortes. Baseado nas médias registradas nos anos anteriores, Jefferson Vilhena, meteorologista do núcleo, acredita que a velocidade dos ventos varie entre 20 e 27 quilômetros por hora, mas não descarta novos vendavais. Por isso, os órgãos de Defesa Civil permanecem mobilizados e monitorando a previsão do tempo.
“No dia 23 havia uma previsão de fortes chuvas acompanhadas de fortes rajadas de vento, mas com velocidade máxima de até 30 quilômetros por hora. O que vimos foi um evento extremo, que passou dos 70 quilômetros”, explicou o meteorologista, Jefferson Vilhena.
O vendaval provocou quedas de árvores, postes, antenas, outdoors, muros e paredes, destelhamento de casas, escolas e empreendimentos comerciais, entre outros danos materiais, como por exemplo, dezenas de automóveis atingidos principalmente pelas árvores que foram derrubadas. Apesar dos estragos não houve vítimas fatais, mas foi registrado um acidente por descarga elétrica.
Os maiores estragos foram na rede de distribuição de energia elétrica que atende os municípios afetados. Segundo a CEA, cerca de 100 mil unidades consumidoras ficaram sem energia. A Companhia mobilizou funcionários de vários setores, contratou emergencialmente 40 eletricistas e contou com o suporte extra de equipes terceirizadas, visando reduzir o tempo de atendimento às ocorrências.
A CEA restabeleceu 90% dos circuitos afetados no início da noite de quinta-feira, 23, porém, a necessidade de recuperação de 320 vãos de cabeamento em baixa e alta tensão, a substituição de 18 transformadores e 30 postes, somadas ao número anormal de ocorrências, superou a capacidade de atendimento, impossibilitou o imediato restabelecimento do fornecimento de energia a cerca de 10 mil imóveis, o que ocorreu em três dias.
Texto editado do Diário do Amapá