Google+ Followers

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Pesquisas se aproximam da realidade com Dilma em primeiro lugar

Ao lado de Lula, Dilma fez seu primeiro comício nesta campanha em Minas Gerais
Ao lado de Lula, Dilma começa a cristalizar sua vitória nestas eleições
A nova edição da pesquisa realizada pelo Instituto MDA, divulgada nesta manhã pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT), volta a apontar a liderança da presidenta DilmaRousseff no primeiro turno da disputa ao Planalto, com 38,1% das intenções de voto. A candidata do PSB/Rede Sustentabilidade, Marina Silva, registrou 33,5%. Em terceiro lugar, Aécio Neves, do PSDB, volta a declinar para 14,7%. Na comparação com a última pesquisa CNT/MDA, divulgada no dia 27 de agosto, Dilma subiu 3,9%, Marina subiu 5,3% e Aécio caiu 1,3%. O número de indecisos caiu quase pela metade, de 10,4% para 5,7%. Brancos e nulos caíram de 8,7% para 5,9%.
Em uma simulação de segundo turno entre Dilma e Marina, a petista, com 42,7% das intenções de voto, empata tecnicamente com a candidata do PSB, que registra 45,5%. Em uma eventual disputa entre Dilma e Aécio, a petista venceria com 47,5%, contra 33,7% do presidenciável tucano. Em uma terceira possibilidade, Marina (52,2%) também ganharia de Aécio (26,7%). A pesquisa aponta que a maior parte dos entrevistados (49%) acredita que Dilma é quem vencerá as eleições. Em segundo lugar, está Marina (34,9%), e, em terceiro, Aécio (6,2%). A candidata do PT também lidera o limite de voto: 22,8% disseram que ela é a única em quem votariam. Marina tem 18,5% dessas intenções, e Aécio, 6,3%.
A popularidade da presidenta Dilma também cresceu, segundo o estudo. A avaliação de governo, estava positiva para 33,1% dos eleitores, na pesquisa divulgada no fim do mês passado. Agora, o indicador sobe para 37,5%. Enquanto isso, o percentual dos que consideraram seu governo ótimo cresceu de 6,8% para 7,7%. A performance considerada boa passou de 26,3% para 29,8%, e a regular de 37,4% para 39%. A avaliação negativa, por sua vez, caiu e passou de 28,8% para 23%. A atuação considerada ruim passou de 11,8% para 10,8%, e a péssima, de 17% para 12,2%. Em relação ao desempenho pessoal, Dilma também registrou crescimento: de 47,4%, ela foi para 52,4% de aprovação. Já a quantidade dos que desaprovam passou de 47,4% para 42,9%. Foram entrevistadas 2.002 pessoas, em 137 municípios de 25 estados das cinco regiões, entre os dias 5 e 7 de setembro.
Marina desidrata
Após uma semana sob forte ofensiva dos adversários e recheada de erros de estratégia na campanha da ex-senadora acreana, o comitê de Marina Silva passou a admitir “perda de substância” da candidata nas próximas pesquisas de intenção de voto, em linha com o resultado desta pesquisa do MDA/CNT. O remédio, segundo o comitê pessebista, é manter o ânimo e a defensiva na tentativa de levá-la ao segundo turno, mesmo diante de uma forte desidratação da ex-senadora. Em reunião na noite de domingo, em São Paulo, integrantes da campanha fizeram a apresentação de pesquisas encomendadas pelo partido, que mostram a estabilização do crescimento de Marina na última semana.
Ao contrário do que pressupõem os números que chegam ao comitê de Marina Silva, os trakings comerciais, uma forma de pesquisa atualizada diariamente, do Instituto DataCaf, já colocam a candidata à reeleição pelo PT com 42% das intenções de voto, em seguida aparece a candidata Marina Silva pelo PSB com 25% e em terceiro lugar Aécio Neves pelo PSDB com 12%. Brancos/Nulos/Não souberam 21%. O estudo foi publicado no Correio do Brasil, na última quarta-feira.
Marina ainda é considerada mais viável na disputa contra a presidenta Dilma em um eventual segundo turno, mas sua vantagem diminuiu de 10 para sete pontos de acordo com pesquisa do Datafolha. Os números do PSB, que deixaram a campanha pessebista em polvorosa, caem para uma diferença de seis pontos entre as duas se o segundo turno fosse hoje. As pesquisas do partido foram fechadas na sexta-feira e, portanto, não traziam ainda o impacto do escândalo de corrupção na Petrobras, em que o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos aparece na lista de políticos que podem estar envolvidos com o esquema.
A avaliação dos analistas é de que Marina seguirá na defensiva nos próximos dias, diante dos ataques que vem sofrendo dos adversários. Durante a reunião do comitê de campanha, que contou com a presença da candidata e também do vice na chapa, Beto Albuquerque, integrantes da campanha sugeriram uma revisão de conteúdo no programa de governo, alvo de diversas críticas dos principais adversários de Marina na disputa presidencial, Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB).
Marina, porém, não quer mais saber de alterações na proposta de governo. Na avaliação dela, uma terceira edição do texto seria “um desastre”. O programa, que deveria funcionar como um trunfo da campanha, acabou se tornando o seu pior pesadelo. As mensagens de um pastor ultraconservador no Twitter, que determinaram à Marina que deixasse de apoiar a causa gay, causou um estrago na campanha. Menos de 24 horas após a divulgação oficial do documento, a equipe de Marina divulgou nota em que reviu a posição da candidatura em relação à defesa do casamento gay e da criminalização da homofobia.
Outro foi a declaração quanto ao pré-sal e, agora, até uma perereca é usada contra a candidata. Quando ainda ocupava o Ministério do Meio Ambiente, Marina Silva atrasou a licença ambiental da obra do Arco Metropolitano – uma das maiores construções do governo do Estado – devido ao risco de extinção de uma linhagem de pererecas.
Jato suspeito
Entre a extinção de anfíbios e a ira dos homossexuais, a compra e uso do jatinho que, na queda, matou o líder do PSB Eduardo Campos transformou-se, desde o mês passado, no pior fantasma para a campanha da ex-ministra. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) investiga, agora, como no dia seguinte ao desastre, no litoral paulista, com os restos mortais ainda espalhados no local onde caiu o avião, partidários conseguiram transferir, em espécie, R$ 2,5 milhões da conta de campanha do defunto para o Comitê Financeiro Nacional, administrado pelo PSB. Para o coordenador financeiro da campanha, Basileu Margarido, indicado pessoalmente por Marina, está tudo sob controle.
– O escritório de Direito que nos atende consultou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para fazer a operação. Segundo eles, não há nada de errado – garante. Mas o TSE, não. Esta instância do Judiciário informa que ainda vai analisar as prestações de contas para, somente então liberar um parecer sobre o caso – disse Margarido.
A transferência aconteceu no dia 14 de agosto, segundo os documentos, em dinheiro vivo. O registro está na segunda prestação de contas dos candidatos, divulgada no sábado pelo TSE. Nela, o PSB não faz qualquer menção ao jato Cessna, principal alvo de investigação da Procuradoria Geral da República por crime eleitoral e suspeita de uso de caixa dois.
Via: Correio do Brasil